COMEÇAR DO ZERO

Casa do Castelo, Loulé
INAUGURAÇÃO Sáb 17 SET, 18h00 (Patente até 22 Out)

CCL – Centro Cultural de Lagos
INAUGURAÇÃO: Qui 27 OUT, 18h00 (Patente até 30 Dez)

CO-PRODUÇÃO CINE-TEATRO LOULETANO

Exposição Colectiva de Fotografia produzida pela casaBranca no âmbito da 7ª edição do Festival Verão Azul.
Integra obras dos artistas André Príncipe, André Uerba, Andrej Djerkovic, Patrícia Almeida, Vasco Célio, criadores na área da fotografia com abordagens formalmente muito distintas, a quem foi dirigido um convite para criarem trabalhos novos para esta exposição.

Mais do que subordinar o trabalho a uma temática específica, o objectivo foi o de criar um espaço onde os artistas tenham total liberdade dos objectos a expor, bem como na forma de os expor.
Como ponto de partida apenas uma frase – Começar do Zero – título que ainda assim poderá direccionar para a compreensão das obras, e que contém uma ideia dupla de esperança e de destruição, gerando-se nesta oposição uma excitante dialética interna.

A exposição estará patente em Loulé na Casa do Castelo de 17 de Setembro a 22 de Outubro e em Lagos no Centro Cultural de 27 de Outubro a 30 de Dezembro.
Integra ainda a exibição em ambas as cidades de Traces of a Diary, filme de André Príncipe e Marco Martins concebido como uma espécie de diário de viagem no Japão, um caderno de notas cinematográfico sobre o trabalho de alguns dos mais significativos fotógrafos japoneses contemporâneos.


Queridos artistas,

Queremos convidar-vos a participar numa exposição colectiva, organizada pela casaBranca no âmbito da 7ª edição do Festival Verão Azul, que irá acontecer em Lagos, Loulé e Faro.
A exposição será apresentada em dois locais e em duas datas diferentes. Em Loulé, na Casa do Castelo e em Lagos no Centro Cultural de Lagos. Estão convidados a criarem obras novas para esta exposição.
Quando pensámos em vocês foi como criadores na área da fotografia, embora tenham abordagens formalmente diferentes uns dos outros. No caso do André Príncipe não seria apenas uma criação / obra nova mas interessa-nos também, muito, apresentar o filme-diário que fez com o Marco Martins: Traces of a Diary.
Existirá o pagamento de um cachet artístico para cada um de vocês, assim como uma verba para produção das obras. Apesar de ter já um título que ainda assim direcciona a compreensão das obras, não queremos que se sintam obrigados a nada em relação à criação das mesmas.
Queremos fazer uma exposição onde não exista um tema específico mas sim com artistas que nos importam. Pensamos que a ideia inserida na frase, Começar do Zero, tem tanto de esperança como de destruição. E é esta dialética interna que se cria que é excitante.
Temos vontade de fazer uma expo anárquica.
Uma expo com ausência de governo.
Uma expo em autogestão, seja lá o que isso for neste contexto.
Um espaço onde os artistas têm liberdade total dos objectos a expor, bem como a forma de os expor.
Não queremos com isto dizer – caótica. É o que desejarem que seja.
E é apenas a nossa forma de vos dizer que podem fazer o que quiserem, que ao contrário do que se diz por aí, acreditamos que a nossa liberdade começa onde começa a do outro.
Mantemos contacto.
Muito obrigado,
beijos nossos

Ana e João
(direcção artística casaBranca e Verão Azul)