© António Pedro Lopes

RAQUEL ANDRÉ – Colecção de Artistas

FARO
RESIDÊNCIA ARTÍSTICA: 13 > 19 MAI 2018
CONVERSA ABERTA: 17 MAI 2018
Teatro das Figuras

LOULÉ
RESIDÊNCIA ARTÍSTICA: 7 > 12 OUT 2018
CONVERSA ABERTA: 11 OUT 2018, 18h30
Auditório do Convento do Espírito Santo

Colecção de Artistas é a nova criação de Raquel André, o terceiro movimento do projecto Colecção de Pessoas. Esta pesquisa, que começa em 2018 através de várias residências nacionais e internacionais, estreia em Setembro de 2019 no Teatro Nacional D. Maria II, sendo logo depois apresentada no Festival Verão Azul.
A proposta da criadora é encontrar-se com artistas das artes performativas e pedir-lhes que se deixem coleccionar. Raquel usa o seu próprio corpo como arquivo, aprendendo e guardando as artes dos outros para contar as suas histórias. Ela cria uma colecção que se preocupa com cada artista e as suas diferentes práticas, disciplinas, perspectivas conceptuais e ferramentas de trabalho.
Na colecção encontramos também desejos pessoais e pensamentos em relação a formas de estar e biografias. Ao coleccionar artistas, Raquel navega sobre as fronteiras do real e da ficção, fantasia e possibilidade, quotidiano e vida artística, procurando coleccionar o efémero – e transformá-lo em algo concreto e palpável, através de um dispositivo artístico e / ou poético.

© Jesus Brás

Raquel faz duas residências no Algarve, uma em Faro em colaboração com o Teatro das figuras, outra em Loulé em colaboração com o Cine-Teatro Louletano. Em cada residência Raquel coleccionará dois artistas algarvios, integrando na próxima criação a região e as suas práticas artísticas.
Que influência tem o território sobre a criação e que tipo de artistas Raquel encontrará? É possível, através de um momento de criação de um artista, ter acesso ao artista? Ter acesso à sua história?
Fica a questão e o convite para acompanhar o processo e para ver a criação na próxima edição do festival.

No final de cada residência, Raquel e sua equipa explicam a experiência e a forma como trabalharam com os artistas da região numa conversa aberta ao público.


Criação: António Pedro Lopes, Bernardo de Almeida, Raquel André
Co-produção: Teatro Nacional D.Maria II – Lisboa, Festival Verão Azul – casaBranca / Teatro das Figuras / Cine-Teatro Louletano, BIT Teatergarasjen, O Espaço do Tempo, Cincinnati Contemporary Arts Center, Cialou / Mysl, Tanzfabrik, FITEI
Apoio: SZENE, CDN Orléans
Estreia: 2019

Raquel André pegou numa caixa de papelão cheia de cartas escritas à mão, correspondência de uma família nos anos 70, 80 e 90 e criou o seu primeiro trabalho autoral em 2009. Desde então interessa-se pelo Colecionismo nas Artes Performativas, tendo sido essa a sua dissertação de Mestrado na Univ. Federal do Rio de Janeiro, sob orientação de Eleonora Fabião, com bolsa da Calouste Gulbenkian.
Em 2015, inicia a tetralogia da Colecção de Pessoas, com a estreia de Colecção de Amantes, no Teatro Nacional D. Maria II. Em 2016, estreou Colecção de Coleccionadores no Teatro Rivoli. Em 2017, lançou o livro Colecção de Amantes, Vol. 1 e criou uma versão do projeto para a RTP2. Em 2019, estreia Colecção de Artistas. É artista APAP (Advancing Performing Arts Project – Performing Europe 2020), com o apoio do Teatro Nacional D. Maria II.