© Inês Sambas

DANIEL V. MELIM – Pinturas Cantadas

* RESIDÊNCIA ARTÍSTICA
26 > 30 SET 10h00 > 18h00
Convento do Espírito Santo, Loulé

APRESENTAÇÃO
1 OUT 17h00 / Convento do Espírito Santo, Loulé
M12 / Performance / Entrada Livre

* CONVOCATÓRIA / PROCURAM-SE PARTICIPANTES!
Daniel V. Melim faz pinturas e música a partir de histórias de vida. 
De terça a sexta-feira (27 a 30 SET) recebe, no Convento do Espírito Santo (Loulé), pessoas de todos os percursos e idades, interessados em participar no projecto PINTURAS CANTADAS.
O artista convoca assim a comunidade local, para uma conversa individual, durante a qual faz pinturas. No final de cada conversa, cria uma música que será gravada e oferecida ao seu interlocutor.

Participação gratuita através de marcação.
Marcações & Infos: damelim@gmail.com / (WhatsApp) +351 935 429 874

Desde os rolos cantados dos Chitrakar Indianos, passando pelos Cantastoria Sicilianos, a árvore genealógica do canto de pinturas é longa. PINTURAS CANTADAS é uma performance sonora que parte de conversas com indivíduos e que entrelaça música, histórias de vida e imagem. O som feito ao vivo mistura-se com gravações de campo e de estúdio. A linguagem das music machines contemporâneas mistura-se com algumas práticas sonoras ancestrais.
Em Loulé, músicos locais colaboram com Daniel V. Melim na criação de novos materiais para esta performance-concerto.


Concepção e performance: Daniel V. Melim
Apoio coreográfico e musical: Edgar Valente
Assistência técnica sonora: Luís Rocha
Parceiro Institucional: Fundação Calouste Gulbenkian
Apoios: Associação Binaural de Nodar, A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria, CAPC – Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, Cooperativa Cultural PENHA SCO, Alma d’ Arame


Daniel V. Melim (1982, Coimbra) – Finalista do Prémio EDP Novos Artistas 2007, vencedor do Prémio Fidelidade Mundial Jovens Pintores em 2011 e shortlister dos 100 Painters of Tomorrow (Thames & Hudson, 2014). Divide o seu tempo entre pintura, projectos sonoros/performativos e mentoria criativa de indivíduos e grupos. Estas práticas são muitas vezes cumulativas entre si e enlaçam-se com o tecido comunitário. Interessa-se pelas dimensões históricas, afectivas, ecológicas e espirituais da criação.
Tem desenvolvido o seu trabalho em Portugal e internacionalmente.